terça-feira, 26 de outubro de 2010

A novidade, o isolamento, o encontro

Bom dia gente!!

Tá ok, meu último post foi em junho, desculpem pelo sumiço!
Mas as vezes fica difícil postar com muita frequência pois como estamos cansados de saber, nosso problema, recém considerado doença, é muito pouco estudado e as vezes não aparece nada novo pra falar. Isso não quer dizer que abandonei o blog, pelo contrário! Continuo bombando nos emails hehehehe! 

Mas cá estou eu e prometo novidades no próximo post! É sobre um novo produto que saiu no mercado, para tratar a  Hiperidrose palmar e um outro, para plantar... Vou usar primeiro e depois trarei um post completo não só mostrando os produtos pra vocês como também já mandando a real sobre se funciona ou não.

Por enquanto, vou contar uma história que me instigou muito a vir contar pra vocês:

Estava eu, no ônibus a caminho da faculdade, temperatura de uns 26º ou 27º C... Próximo a mim sentou um homem de uns 40 anos, com camisa social de mangas compridas. E perto também sentaram duas mulheres, de uns 20 e poucos anos.


Quando o homem levantou pra ir embora, a surpresa: A camisa cinza que ele usava estava completamente encharcada nas costas. As costas todas dele estavam de outra cor, cinza bem mais escuro. Imediatamente as duas mulheres olharam com cara de nojo e uma comentou a outra: "- Esse aí deve ser o maior drogado, cheirador".

Bem, não preciso dizer mais nada, né! Nós sabemos muito bem que o problema deve ser outro que nada tem a ver com isso! O cara além de sofrer com hiperidrose ainda tem que sofrer com os olhares e comentários  preconceituosos das pessoas.


Outro dia também no ônibus, dessa vez um bem lotado, uma menina de uns 16, 17 anos ficou em pé em frente ao lugar que eu estava. E eu notei o quanto as mãos dela suavam. Era claro que ela tinha Hiperidrose palmar, e fiquei numa baita dúvida se eu devia falar alguma coisa com ela ou não. Senti um impulso de falar, mas fiquei com medo de deixá-la totalmente constrangida. Pois eu sei que tudo que nós queremos é que o nosso suor não seja notado. Por outro lado, tenho certeza que poderia ajudar de alguma forma se eu falasse um pouco com ela, mas no receio de fazer algo errado, não fiz nada e logo em seguida a menina também foi embora e meu tempo esgotou sem que eu sequer tivesse me decidido sobre o que fazer. Fiquei com isso na cabeça, fico pensando se eu devia tê-la abordado e falado claramente com ela ali, mesmo que outras pessoas ouvissem, mesmo que ela ficasse com vergonha... O que fazer!?


Como visto na primeira história, o suor traz consigo a idéia da sujeira, enoja. Para quem tem o suor, traz a vergonha por provocar esse sentimento nos outros. Já recebi inúmeros emails com pessoas falando que por vezes sentem vontade de se matar, e muitos mais de pessoas que tem a vida social inteiramente afetada devido ao excesso do suor seja onde for. Muitas vezes o isolamento começa a partir da própria pessoa, para evitar um sofrimento maior quando no convívio com os outros. Concordam?

Bem, quero aproveitar para agradecer as 24,096 visitas únicas recebidas até o dia de hoje. Dia 28 de outubro de 2009 o blog foi inaugurado com a primeira postagem. Daqui a 2 dias será o aniversário de UM ANO DO BLOG!


24 mil visitas em um ano!!! Não é pouca coisa não!!! Espero que este espaço cresça cada vez mais e que aqui todos possamos encontrar alguma coisa, seja uma informação importante, uma palavra de apoio, um amigo, um alívio ou uma solução! 
Obrigada a todos vocês pelo carinho e pelo suporte para que este blog continue de pé por muitos anos mais, e quem sabe um dia eu possa postar aqui sobre a nossa cura total e definitiva! 

Beijão!!!


Ps. quer falar comigo? Mande um email para isabel.borges@globo.com